Óleos vegetais, como utilizar

São indicados para o tratamento da pele. Sua ação pode auxiliar em alguns problemas dermatológicos como acne, ressecamento, prevenção de rugas, entre outros. Traz benefício para a pele devido ao efeito emoliente, lubrificante, com alto poder de elasticidade, prevenindo o envelhecimento precoce.

Os óleos carreadores são óleos gordurosos que não podem ser obtidos pelo processo de destilação, mas pela prensagem de sementes, nozes e amêndoas. Muitos óleos carreadores são utilizados na alimentação, como é o caso do girassol, soja, gergelim, etc. Outros, por sua vez, podem ser utilizados apenas em massagens, o que vale também para todos aqueles usados para a alimentação. O princípio básico é o seguinte: todo óleo vegetal que pode ser usado na alimentação, pode ser usado para massagem. A palavra carreador vem da palavra “carregar”, aquele que serve de veículo. Estes óleos são considerados veículos para os óleos essenciais penetrarem através da pele. Na massagem eles também facilitam o deslizar das mãos sobre o corpo do paciente. Os óleos carreadores podem ser encontrados como refinados ou não-refinados o que pode interferir em muito em suas propriedades terapêuticas. O problema com os carreadores está no fato de que quando eles passam pelo processo de refino perdem a maioria das propriedades terapêuticas que eles possuem naturalmente.Prefira então o não-refinado. O que dá o cheiro característico aos óleos vegetais gordurosos é a presença de óleo essencial em sua constituição (desde que este seja não-refinado). Cada óleo carreador é constituído por um conjunto de ácidos graxos (gorduras) diferentes. São centenas de tipos de ácidos graxos, sendo que cada qual irá possuir propriedades diferentes e específicas. Existem gorduras sem muita utilidade e outras com potenciais infinitamente grandes e isso faz muita diferença entre um carreador e outro quando são utilizados na massagem, alimentação e terapêutica. Entre os carreadores, alguns são mais indicados para determinados tipos de pele conforme sua densidade própria. Os óleos indicados para pele oleosa podem ser empregados em peles secas, porém não se deve fazer o contrário. Evite o uso de óleos carreadores em peles com problema de acne e inflamadas.

Óleos para peles secas:
Óleo de amêndoas
Óleo de rícino
Manteiga de cacau
Manteiga de cupuaçu
Óleo de amendoim
Óleo de abacate
Azeite de oliva
Óleo de castanha do Pará
Óleo de maracujá prensado a quente

Óleos para peles normais:
Óleo de milho
Óleo de gergelim
Óleo de soja
Óleo de apricot
Óleo de jojoba
Óleo de calêndula
Óleo de semente de uva
Óleo de neen
Óleo de maracujá prensado a frio

Óleos para peles oleosas:
Óleo de semente de uva
Óleo de girassol
Óleo de avelã
Óleo de noz
Óleo de prímula
Óleo de germe de trigo
Óleo de babaçu, tucumã, côco da Bahia, palmiste e murumuru
Óleo de canola
Óleo de linhaça

Métodos de extração
Existem dois métodos de se extrair o óleo carreador de matéria prima.
A primeira é por pressão a frio: neste processo as sementes são esmagadas por uma prensa causando a drenagem do óleo para fora da mesma.
O segundo método é a extração por solvente: a polpa é saturada com um solvente (geralmente hexano) que dissolve a maior parte do óleo presente na polpa; a massa resultante é então filtrada e o solvente evaporado por aquecimento. Muitos óleos existentes no mercado são vendidos como virgens ou extra-virgens. Quanto à denominação de virgem, ela irá corresponder à segunda prensagem da matéria prima, sendo que à primeira prensagem se dá o nome de extra-virgem. As únicas exceções são o azeite de oliva, óleo de nogueira (noz), avelã e outros poucos. No caso do azeite, após a segunda prensagem se extrai o óleo que sobrou na polpa através da fervura em banho-maria do material. É importante frisarmos que muitos destes óleos taxados desta forma são propaganda enganosa, pois são extraídos por solventes. Outros tipos de carreadores são os óleos produzidos por maceração onde a erva, flor ou semente é infusa por um determinado período de tempo em um óleo vegetal qualquer (soja, girassol, etc.) até que a matéria prima passe para o óleo solvente todas as suas propriedades terapêuticas. Este processo às vezes é acelerado pela fervura do óleo em banho-maria.

Abaixo seguem dicas de óleos e como utilizá-los na fabricação de sabonetes artesanais:

image

Óleo de semente de damasco
Óleo de semente de damasco é um óleo leve que é semelhante ao óleo de amêndoa, na sua composição de ácidos gordos. Ele é absorvido pela pele facilmente é um óleo de condicionamento muito bom e vai trazer qualidades luxuosas para o sabão. Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Óleo de Amêndoa Doce
Um óleo hidratante encantador que é muito leve e bem absorvido pela pele. No sabão produz uma espuma baixa e estável. Por ser um óleo muito soft é muito bom em loções. Óleos de banho e bases para massagem Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Óleo de abacate
O Óleo de abacate é um óleo pesado, verde, promove uma hidratante rica, que tem uma elevada percentagem de insaponificável (as porções do óleo que não reajam com a solução cáustica, para formar o sabão), de modo que é um bom óleo para superfat (sobre gordura). É frequentemente usado em receitas de sabão para pessoas com pele sensível. Na pele, promove uma hidratação rica em vitaminas A, D e E, o que é excelente para a pele e lhe dá uma vida saudável mais longa. Sua concentração não deve ser superior a 30%.

Óleo de Babaçu
Babaçu vem das sementes da palmeira babaçu. A sua composição de ácidos gordos é muito semelhante ao de semente de palma e óleo de coco. É rico em ácido láurico e mirístico, que contribuem para uma espuma macia e agradável. Sua concentração pode ser superior a 50% em certos casos, mas normalmente se usa uma concentração de até 40%

Óleo de Canola
Canola, uma espécie de colza, é um óleo bom e tem um custo benefício muito bomica para a fabricação de sabão – você pode usa-lo para substituir uma parte do azeite de oliva. Ele dá um agradável, espuma, baixo cremosa e é hidratante. Sua concentração deve ser entre 5 e 15% DICA / Este óleo retarda a velocidade com que o seu sabão vai começar a tracar, por isso é um bom óleo para adicionar a sua receita se você quer fazer redemoinhos complicados ou misturar cores.

Òleo de Mamona (Ricino)
É um óleo grosso que tem uma composição de ácidos graxos que é completamente original, este óleo ajuda a aumentar a espuma do sabão e resulta em uma espuma rica e cremosa. É também um óleo muito umectante (aumenta a umidade de sua pele). Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Óleo de coco
O óleo de coco é um dos óleos base que os Saboeiros usam em suas receitas de sabão. Da ao sabão uma espuma bem borbulhante e em grande quantidade. Outra característica deste óleo é a dureza e a cor clara que ele dá a sua barra de sabão. È um óleo que promove limpeza e retira a oleosidade da pele Sua concentração não deve ser superior a 30% ou pode ressecar peles mais sensíveis para amenizar este efeito pode ser combinada com uma manteiga de cacau ou karité.

Óleo de milho
Não é um óleo muito usado pelos saboeiros (Não há nada de errado com ele, há apenas óleos melhores com preços similares para serem usados). Ele age como a maioria dos outros óleos vegetais líquidos, como soja ou canola. Alguns fabricantes de sabão optam por não usá-lo por medo de afetar pessoas com alergias ao milho. Fora isso, ele pode ser usado como parte de sua receita. Sua utilização resulta em um sabão hidratante com uma espuma muito estável. Sua concentração não deve ser superior a 15%.

Óleo de algodão
Este é outro óleo base nas receitas de muitos saboeiros. Mas se você já usou “Crisco” ou gordura vegetal então você já usou uma quantidade deste óleo sem nem saber! Pois estas gorduras tem em sua composição uma parte de óleo de algodão. Este óleo contribui para que seu sabão tenha uma espuma cremosa e muito hidratante. Óleo de algodão ficou um pouco mal visto por alguns saboeiros devido a relatos de uso de pesticidas em culturas de algodão. Mas se optar pelo uso deste óleo terá como resultado um belo sabão Sua concentração não deve ser superior a 40%.

Óleo de semente de uva
Óleo de semente de uva é um óleo hidratante leve, que é um bom aditivo para o sabão em pequenas quantidades. Ele não tem uma vida útil longa, a menos que você venha a tratá-lo com extrato de alecrim oleoresina. Resulta em um sabão adorável e muito hidratante. Sua concentração não deve ser superior a 5%.

Óleo de Avelã
Óleo de avelã é um excelente hidratante em cremes e loções, mas tem uma vida útil curta (3-4 meses). Se você deseja adicioná-lo ao sabão, não é recomendado o uso de grandes quantidades. Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Óleo de semente de cânhamo
Óleo de semente de cânhamo tem uma cor verde escuro e aroma característico, mas não tem cheiro de maconha, nem de nenhum dos efeitos que a maconha tem, mas, de fato, vêm da semente da planta de cannabis. É realmente adorável em cremes assim como em sabões. Ela contribui com luminosidade e uma espuma cremosa e muito sedosa. Mas devido à sua composição de ácidos gordos, que tem uma vida útil muito curta (menos de seis meses) por isso devem ser refrigeradas ou mesmo guardado no congelador. Tratando-o com extrato de alecrim oleoresina é uma boa opção para ter um aditivo exótico em seu sabão Sua concentração não deve ser superior a 15%.

Óleo de jojoba
Jojoba na verdade uma cera líquida, que é muito semelhante ao sebo (de origem animal), na sua composição química. Ele contribui para o sabão com uma espuma estável e muito agradável  além de uma notável qualidade hidratante. e ao contrário de alguns dos outros óleos hidratantes considerados como de luxo, tem uma vida útil muito longa de 1 a 2 anos. Mas tome cuidado pois este óleo tende a tornas o traço mais rápido o que torna seu uso mais complicado se for usar uma essência ou óleos essenciais mais temperamentais ou se queira dar efeito de cores como redemoinhos ou marmorizados. Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Kukui Nut Oil
Um óleo de castanha líquido e muito rico, nativo do Havaí, seu uso resulta uma espuma cremosa e muito estável no sabão, além de ser bem hidratante. É um balsamo absorvido rapidamente pela pele. Tem fama de remover ACNE, ECZEMA e PSORÍASE. Assim como os outros óleos considerados especiais ou de luxo não é recomendado seu uso em grandes quantidades. Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Óleo de Macadâmia
Óleo de macadâmia é um óleo leve, com um odor de noz suave. Ela é única em sua composição de ácidos graxos na medida em que contém ácido palmitoléico – o que facilita sua absorção pela pele, muito indicado para peles maduras e ressecadas. Sua concentração não deve ser superior a 10%.

Óleo de Neem
O óleo de Neem é extraído da casca da árvore neem. Ela está crescendo em popularidade junto aos saboeiros devido a sua ação antisséptica, anti-fungos além de ser um repelente natural. Existe um fabricante de sabão que usa óleo de neem a cerca de 25% da receita e os envia para os soldados no Oriente Médio para repelir moscas de areia. Também é ótimo para o tratamento de doenças da pele como o pé de atleta. O cheiro do neem é muito forte, tem cheiro de terra e leva algum tempo para se acostumar. Mas ele não fica muito forte no sabão, e combina bem com outros aromas terrosos. Sua concentração não deve ser superior a 25%.

Azeite de Oliva
Resultado da primeira prensagem das azeitonas. O óleo refinado, ou óleo de Grau A (em geral, o melhor grau de sabão) vem da segunda pressão, e é ligeiramente refinado / filtrado. 100% de azeite faz o famoso Sabão de Castela ou Sabão de Marcelha que deve conter pelo menos 72% de óleo de oliva. O azeite é geralmente o óleo mais usados nas receitas da maioria dos saboeiros e por uma boa razão. Sabonetes de óleo de oliva são muito hidratante, e fazem um sabão rígido e branco (embora a utilização de grandes quantidades deste óleos demorem mais tempo para curar) e são excepcionalmente suave. Mas a espuma se mostra em menor quantidade e o sabão fica um pouco viscoso. A maioria dos fabricantes de sabão combinam o azeite de oliva com outros óleos para melhorar a espuma.

Azeite, Bagaço
O azeite de oliva é mais um dos óleos bases numa receita de sabão, um óleo grosso e verde escuro, é obtido através de extração por solvente do fruto e caroços das azeitonas -. Ele tem um nível muito elevado de óleo insaponificável (as porções do óleo que não reajam com a solução cáustica, para formar o sabão.) Isso fará com que o seu traço seja alcançado mais rápida. Como todo azeite, resulta em um sabão muito agradável, hidratante e suave quando combinado com outros óleos. Sua concentração pode ser de até 100%

Óleo de palma
Óleo de palma, juntamente com azeite e com coco, são alguns dos melhores óleos utilizados hoje por fabricantes de sabão. Isso ocorre por causa das qualidades que estes três óleos dão ao sabão, são muitas vezes chamados de “sebo vegetal” na medida em que dá as mesmas qualidades do sebo bovino ao sabão. Resulta sempre em barra dura com uma espuma rica e cremosa. Faz parte da base de quase todo sabonete, combinado com outros óleos como o coco, azeite e mamona, faz uma barra de sabão maravilhosa. Pode se usar uma concentração de até 40%

Óleo de palmiste
Embora seja oriundo da mesma planta do óleo de palma, são ósseos bastantes diferentes o óleo de palmiste é quase idêntico ao óleo de coco nas suas propriedades resultando em uma barra de sabão dura e branca e com muita espuma. O óleo de palmiste é frequentemente encontrado parcialmente hidrogenado, é um óleo fácil de manusear Pode se usar uma concentração de até 40%

Óleo de Semente de Abobora
Óleo de semente de abóbora é um óleo rico e cheio de vitamina com propriedades antioxidantes abundantes. Ele contém ómega-3 e ómega-6 ácidos gordos, assim como as vitaminas A, C, E, e zinco. Nas propriedades ácido graxo é mais semelhante ao óleo de soja e óleo de girassol, e contribuirá com as mesmas qualidades destes óleos a barra de sabão resultando em um sabão com espuma densa e bom condicionamento É considerado um óleo SUPER PREMIUM pelas qualidades e indicações para produtos que precisam de cuidados especiais para pele.

Óleo de farelo de arroz
Este óleo é extraído da casca do arroz, os fabricantes de sabão descobriram que o óleo de farelo de arroz tem praticamente as mesmas qualidades do azeite de oliva, as mesmas características hidratantes, de cremosidade que o azeite conferem aos seus sabonetes, mas a um preço mais em conta. Além de ter os mesmos antioxidantes e vitaminas que tem o óleo de oliva. Sua única desvantagem é sua durabilidade que é muito curta (em media seis meses ou um pouco mais).

Óleo de cártamo
Óleo de vida útil bastante curta, têm sido muito negligenciada nas receitas de sabão. Se você tem este óleo na mão, certamente você pode usá-lo em suas receitas, como você faria soja, canola ou girassol. Proporciona uma hidratação mais leve. Pode se usar uma concentração de até 15%

Óleo de semente de gergelim
Como o óleo de neem, o óleo de gergelim tem um cheiro característico que deve ser tratado se usado em uma alta porcentagem de seu sabão. Resulta em um sabão hidratante e de bom condicionamento. Rico em antioxidantes e vitaminas, por isso também é bom em cremes, bálsamos e óleos de massagem. Pode se usar uma concentração de até 15%

Óleo de Karité
Óleo de karité, ou karité líquido ou mesmo manteiga de karité é um dos óleos de luxo mais populares atualmente. É muito hidratante na banheira, mas pode ser um pouco oleosa para algumas pessoas. Pode se usar uma concentração de até 25% (há quem use mais)

Óleo de soja líquido
Óleo de soja, óleo de canola como o cártamo e girassol, é frequentemente utilizado como parte da receita de quase todo sabão sempre em combinação com outros óleos, como os óleos de coco, azeite e palma. É hidratante, leve e dá uma espuma muito cremosa. Como o óleo de soja é bastante barato em relação a outros óleos, muitos fabricantes irão utilizar o óleo de soja como uma parte de suas receitas para reduzir o custo global dos lotes de seus sabões. Pode se usar uma concentração de até 15%

Óleo de soja hidrogenado
Óleo de soja, na sua forma hidrogenada é geralmente chamado de gordura vegetal e vendido com nomes genéricos, é geralmente uma mistura de óleo de soja e óleo de algodão, e resulta em um sabão bastante agradável. Como todos os óleos, exceto de oliva, não é um óleo para se usar sozinho, mas combinando com azeite e coco faz uma barra muito hidratante, estável e com muitas bolhas em sua espuma. Todas as receitas de sabão do livro Sandy Maine, (O Livro do Sabão) são feitas com gordura vegetal 44% (Óleo de soja hidrojenado), 28% de coco e 28% de azeite.

Óleo de Girassol
Funciona em conjunto com óleos de palma e azeite, faz um sabão muito agradavel, com espuma abundante e cremosa, este óleo é muito hidratante. Dependendo do tipo óleo pode ter um prazo de validade curto devido à sua composição de ácidos gordos. Pode-se adicionar um pouco de extrato de alecrim oleoresina ao óleo ou ao lote. Pode se usar uma concentração de até 25%

Óleo de gérme de trigo
Óleo de gérme de trigo é um óleo espesso de cor âmbar que é muito rico em vitamina E, portanto, é antioxidante e muito estável na prateleira. É um pouco pegajoso e por isso deve ser usado em pequenas quantidades. Pode se usar uma concentração de até 15%.

fonte:
http://aromachik.blogspot.com.br/2013/02/os-oleos-e-suas-caracteristicas.html?m=1
http://www.destilariabauru.com.br/blog/aromacosmetica/
http://www.agracadaquimica.com.br/index.php?acao=quimica/ms2&i=22&id=278

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s